Make your own free website on Tripod.com
Nomes dos planetas

                Há mais de 5 mil anos, os sumérios (habitantes da Mesopotâmia na época, hoje atual Iraque) olharam para o céu e viram 5 estrelas que se moviam enquanto todas as outras ficavam paradas.  Só podiam ser deuses para andar no céu, pensavam. Pensando nisso batizaram os planetas segundo suas divindades, o que depois foi adaptado para a mitologia grega e romana.

        Mercúrio: por possuir a menor órbita entre os planetas (corre mais rápido) recebeu o nome do mensageiro dos deuses, Hermes para os gregos. Mas foi adotado o  nome para o seu correspondente romano, Mercúrio.

        Vênus:  é o que mais brilha no céu. Recebeu o nome da deusa grega Afrodite, para os romanos, Vênus.

        Marte:  por ser vermelha, cor de sangue, recebeu o nome Ares, o deus da guerra. Para os romanos, Marte.

        Júpiter:  Por se mover mais lentamente do que os outros e ser o maior, foi relacionado pelos gregos ao maior dos deuses, Zeus, chamado Júpiter para os romanos.

        Saturno:  Considerado o deus do tempo, reinou entre as divindades até ser destronado pelo filho, Júpiter. Tão devagar que só os mais pacientes podiam notar que se movia. Chamou-se Cronos para os gregos,  Saturno para os romanos.

      OBS:   Terra:  na época não era reconhecida como um planeta, recebeu este nome por se relacionar com o chão.
 

                Estes acima foram nomeados pelos sumérios. Abaixo vem os outros e suas origens.

        Urano:  só foi descoberto em 1781, depois do uso dos telescópios. Pela lógica, se Júpiter era o filho e Saturno o pai, Urano deveria ser o avô.  Mas isso representou um  dilema porque não havia um correspondente na mitologia, então este seria o céu personificado, irmão de Gaia, a Terra.

        Netuno:  descoberto pelo astrônomo francês Urbain Jean Joseph Le Verrier, em 1846. Batizou-o de Netuno, o deus dos mares e das águas, para os gregos, Poseidon para os romanos.  E na época ele nem imaginava que a atmosfera de Netuno é azulada.

        Plutão:   foi o nome sugerido pela estudante inglesa de 11 anos, Venetia Burney. Ela  enviou a sugestão aos pesquisadores em 1930. O nome corresponde aos deus grego dos mortos e do fogo e não tinha correspondente romano. Essa sugestão salvou seu planeta de se chamar Percival, sugerido pela esposa de Percival Lowelle, que 15 anos antes havia previsto  a existência de Plutão.

 

Fonte: Revista Super Interessante