Make your own free website on Tripod.com
Saturno

            

É o segundo maior planeta do sitema solar. Seus anéis são compostos de rochas geladas de um metro de diâmetro ou mais. Através do espectro de luz. pode-se certificar que é gelo de água. A parte mais interna dos anéis está a apenas 17 mil quilômetros. Os anéis se espalham no espaço como uma lâmina fina de 80 mil quilômetros de extensão e apenas 2,5 quilômetros de espessura. As rochas dos anéis contrabalançam a imensa gravidade de Saturno, girando a uma velocidadede 50 mil quilômetros por hora. É semelhante a Júpiter em vários aspectos: Sua rotação dura aproximadamente 10 horas e possui semelhante composição.

               Quanto mais perto do planeta estiver uma partícula do anel, maior será sua velocidade orbital ( a mais rápida está "caindo" em torno do planeta - 3º lei de Kepler). Os anéis estão se despedaçando em torno do planeta a 20 km/s, porém, a velocidade relativa de duas partículas é de apenas poucos centímetros por minuto. Por causa disso, elas nunca conseguem se unir pela gravidade mútua. Assim que tentam, essa diferença de velocidade as separa.
                Se estes anéis não estivessem tão próximos de Saturno, eles poderiam até tornar-se satélites, até porque no lado externo dos anéis existe um sistema de satélites, sendo que alguns deles tem centenas de quilômetros de extensão, até a Titã, quase do tamanho de Marte.
                Esses satélites poderiam ter feito parte dos anéis e , por estarem mais afastados do planeta, se condensaram e se acumularam para formar as luas existentes hoje.
                O campo magnético de Saturno, assim como o de Júpiter, capta e acelera as partículas carregadas do vento solar. E quando uma delas salta de um polo magnético para outro, deve atravessar o plano equatorial de Saturnoe, se houver uma partícula do anel no caminho, o próton ou o elétron é absolvido por esta pequena bola de neve. Devido a isso, os anéis limpam os cinturões radioativos, que existem somente interna e externamente aos anéis.

O mais importantes dos satélites de Saturno é Titã.

Titã
 
                É a lua mais interessante de saturno e a maior lua do Sistema Solar. Possui uma substancial atmosfera, tão grande quanto a de Marte. Possui nuvens brancas ao redor dela, compostas de cristais de metano. Apesar do considerável efeito estufa,  por receber apenas um por cento da radiação solar que se recebe da Terra, as temperaturas ficam abaixo do ponto de congelamento da água. Possui abundante matéria orgânica e pontos vulcânicos quentes.

              Embora seja gelado e sem água , ele pode conter pistas importantes sobre a química da vida. Ele assim como a Terra contém ar com um grande proporção de nitrogênio misturado a um pouco de metano. Titã também apresenta substâncias como o ácido cianídrico, o cianogênio e o cianoacetileno, considerados os precursores das moléculas orgânicas.

              Possui um raio de aproximadamente 2.000 quilômetros, apenas 500 quilômetros menor do que o raio do planeta mercúrio, e 1000 quilômetros menor do que o de Marte.

              A segunda maior lua de saturno é Japeto. Depois Réia e Tétis que possui largas rachaduras superficiais.

               A lua mais próxima de Saturno , Mimas possui 200 quilômetros de raio e uma vasta cratera na face.

               Apesar de 750 Vezes maior que a Terra, Saturno é o planeta mais rarefeito do sistema solar. Apenas seu núcleo, que possui 5 % do volume total é constituído por gelo e rocha sólida. Acima dele, existe um mar de hidrogênio e hélio líquido. Apesar de ser pesado, 95 vezes mais pesado que a Terra, sua densidade é menor que a da água. Sua superfície é gasosa e extremamente turbulenta, já que apesar do seu tamanho, ele leva apenas 10 horas e 32 min para dar uma volta em torno de si mesmo. Está a cerca de um bilhão de quilômetros da Terra.

               Saturno possui furacões que são maiores que a própria Terra.

              Uma outra lua de Saturno, é um dos maiores corpos irregulares já conhecidos, Hipérion, que possui 400 quilômetros de extensão.

Fonte: Cosmos - Carl Sagan